terça-feira, 25 de dezembro de 2012

A POESIA DE MARIANA LUZ

OS MURMÚRIOS DE MARIANA
Por José Neres 


            Não é de hoje que as letras maranhenses se ressentem da quase total ausência de uma crítica literária consistente e da falta de um resgate historiográfico dos inúmeros valores que abrilhantam ou abrilhantaram as letras de um estado que já mereceu grandiosos elogios por causa da  produção intelectual de seus inúmeros talentos literários.
            Mesmo hoje, em pleno século XXI, com toda a tecnologia de que dispomos, com os relativos progressos nos métodos de pesquisa e com o hipotético interesse em divulgar as artes e a cultura em geral, o Maranhão ainda se encontra bastante atrasado no que diz respeito à divulgação e aos estudos de suas letras. Não obstante os esforços, às vezes hercúleos, às vezes quixotescos, de alguns pesquisadores como Jomar Moraes, Clóvis Ramos, Carlos Cunha, Rossini Correa e alguns poucos outros, as pesquisas literárias com abordagens mais críticas ainda engatinham em uma terra onde o que não faltam são nomes, obras e temas a serem pesquisados.
            O resultado disso tudo é o quase total esquecimento de alguns autores que muito contribuíram para a formação e para a evolução literária de nossa terra. São inúmeros os nomes esquecidos que clamam por alguém com tempo, conhecimento e disposição para resgatá-los do limbo do ostracismo.
            Um desses escritores que merecem maior atenção por parte dos leitores e da crítica é Mariana Luz, poetisa “de feição simbolista”, como muito bem lembrou certa vez Clóvis Ramos, e que buscava “a arte pura em seus poemas”, como escreveu José de Jesus Moraes Rego, em um dos raros estudos sobre a escritora, mas que também deixou suas contribuições nos campos da prosa e do teatro.
Fonte da imagem:
 http://alvoradanoticias.blogspot.com.br/2011/12/itapecuruenses-notaveis-professora.html
            De toda a não muito vasta obra de Mariana Luz, chegou até nós – principalmente por causa da modesta, mas importante edição de 1990, impressa pelo Sioge –  o pequeno livro de poemas intitulado Murmúrios, uma obra composta por apenas 22 poemas, em sua maioria sonetos.
            Mesmo tentado negar sua condição de poetisa de versos tristes em dois textos dedicados ao poeta Leslie Tavares, em um dos quais chega a afirmar que “para mim tudo é belo e sorridente”, o estro poético da escritora desdiz suas palavras. Basta lembrar que vocábulos como dor, sofrimento, lágrima e cadáver são bastante recorrentes ao longo de seus versos. Poucos são os poemas do livro que não apresentam em sua composição pelo menos uma das palavras supracitadas. Mesmo quando o título aparentemente remete a algo alegre, como é o caso dos poemas “Amanhecer” e “Risos”, o desfecho leva o leitor a uma reflexão sobre a triste condição humana.
            O sofrimento é um dos motes mais contemplados pela autora de Murmúrios. A escritora deixa bem claro em seus versos que só “viveu e sabe dar valor à vida / quem palmilhou a estrada dolorida.” No decorrer do livro, o leitor é facilmente levado a crer na teoria de que bons versos são tirados do sofrimento. Mas fica também a idéia de que a essência do sofrer pode ser disfarçada sob a máscara de uma aparente alegria.
            Em vários momentos, a poética de Mariana Luz remete a uma conexão intertextual com os versos do paraibano Augusto dos Anjos, nem tanto pelo vocabulário carregado de termos científicos, mas, principalmente pelas mensagens recheadas de reflexões sobre a vida e a morte, bem como pelas descrições de cadáveres. Um bom exemplo disso é o soneto dedicado à “Gracinha junto ao féretro de sua mãe”.
            Mariana Luz tem ainda muito a dizer a seus leitores. Uma edição crítica de sua obra seria boa oportunidade de a nova geração conhecer a poesia de uma mulher que, mesmo sem inovações técnicas, soube trabalhar a palavra de forma singular e que soube iluminar nossas letras com a luz e com a  força de seus versos.

Um comentário:

  1. Lenita Estrela de Sá25 de dezembro de 2012 11:38

    Querido Neres,

    É importantíssimo o trabalho que você já desenvolve há anos de divulgar a literatura maranhense, trazendo ao conhecimento das pessoas a obra de escritores como Mariana Luz. Parabéns!

    ResponderExcluir